Header Ads

Com a prisão do chefe da quadrilha operação Lava Jato toma outro rumo - R$ 6,194 bilhões de roubo

A segunda prisão do ex-ministro José Dirceu, apontado agora como o criador do esquema de corrupção na Petrobras, inaugura uma nova era da Operação Lava Jato. O caso, que passou do “atacado para o varejo”, como citou na última semana o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Marco Aurélio, deixou o mensalão – motivo da primeira prisão de Dirceu – bilhões de reais atrás do maior escândalo de corrupção do país. Desde a primeira fase, em março do ano passado, a Lava Jato seguiu um curso próprio. Começou pelos doleiros, alvos das investigações iniciais da Polícia Federal (PF) sobre lavagem de dinheiro. Depois, passou pelos diretores da Petrobras que receberam propinas para manter o esquema na estatal, chegando, posteriormente, aos empresários que formavam o “clube” de empreiteiras para concorrer a licitações de obras.
Com o acúmulo de provas e depoimentos de 28 delatores, a operação encostou no núcleo político do esquema – a maioria investigada no STF. Quase um ano e meio depois da primeira fase da Lava Jato, a PF e o Ministério Público Federal (MPF) acreditam, finalmente, terem chegado no primeiro mentor do esquema, que seguiria o mesmo rumo do motivo da primeira prisão de Dirceu.
A diferença está nos números: enquanto o mensalão teria envolvido R$ 101,6 milhões, o “petrolão” já está em R$ 6,194 bilhões. A expectativa dos investigadores é formar a ligação entre os dois esquemas, contando com a colaboração de Dirceu. Segundo o advogado dele, porém, “o Zé morre na cadeia, mas não faz uma delação”.

Nenhum comentário:

Patrocinador

Mídia Social Ronaldo Aleixo . Tecnologia do Blogger.