Header Ads

Com gritos de Fora Dilma o PMDB reelege Michel Temer por mais dois anos e partido vai definir em 30 dias se da Pernada na Dilma(VEJAM O VIDEO)

“ Na convenção, o PMDB também decidiu que não irá assumir novo ministério até que se defina, em até 30 dias, se a sigla deixará o governo e se tornará independente”.

BRASIL - Há 15 anos à frente do PMDB, o vice-presidente da República, Michel Temer, foi reconduzido ao cargo pelos próximos dois anos em convenção realizada em Brasília neste sábado (12).

Candidato único, Temer recebeu 537 votos favoráveis de um total de 559, segundo a secretaria-executiva do PMDB. 11 votos foram contrários à chapa, 6, em branco, e 5, nulos. Ao todo, 390 convencionais votaram, mas parte deles tem direito a votar mais de uma vez.
A recondução de Temer ao cargo ocorre em meio a um momento conturbado na relação entre o Palácio do Planalto e integrantes do partido. Na Câmara, por exemplo, parte da bancada vota de forma contrária aos interesses do governo e defende o impeachment da presidente Dilma Rousseff.
Na convenção do partido neste sábado, os temas que predominaram nos discursos dos peemedebistas foram a defesa do 
impeachment de Dilma, o rompimento com o governo e um maior protagonismo do PMDB na política nacional. Também foram ouvidos da plateia vários gritos de "Fora, Dilma" e "Temer presidente".
Veja o Video


Embora o PMDB detenha seis ministérios atualmente, nenhum dos oradores inscritos para discursar na convenção defendeu o governo. Estavam presentes à convenção os ministros Hélder Barbalho (Portos), Marcelo Castro (Saúde), Eduardo Braga (Minas e Energia), Henrique Alves (Turismo) e Celso Pansera (Ciência e Tecnologia), mas nenhum deles se manifestou em defesa do governo.

O próprio Michel Temer, desde o ano passado, se afastou de Dilma ao 
enviar uma carta a ela na qual apontou desconfiança da petista em relação aos trabalhos dele. Na mensagem, ele disse sentir-se como um vice “decorativo” da presidente, o que gerou intensa repercussão política em Brasília. Neste sábado, no entanto, ao discursar, Temer mencionou a crise política “gravíssima” e disse que não é hora de “acirrar ânimos”.

“Não podemos ignorar que o país enfrenta uma gravíssima crise política e econômica. Mas não podemos deixar – e esta é a tarefa do PMDB – que os graves problemas comprometam os ganhos sociais alcançados nos últimos tempos”, disse Temer.


Na convenção, o PMDB também decidiu que não irá assumir novo ministério até que se defina, em até 30 dias, se a sigla deixará o governo e se tornará independente. Atualmente, chefiada pelo interino Guilherme Amado, a Secretaria de Aviação Civil foi oferecida à bandada de Minas Gerais do PMDB na Câmara dos Deputados durante a eleição do líder do partido na Casa, Leonardo Picciani, no início deste ano. Picciani era o nome apoiado pelo Palácio do Planalto.

Convidado para comandar a pasta, o deputado Mauro Lopes (PMDB-MG) afirmou neste sábado que definirá com Temer se assume o posto.
Fonte: G1

Nenhum comentário:

Patrocinador

Mídia Social Ronaldo Aleixo . Tecnologia do Blogger.