Header Ads

DESEMPENHO DA ECONOMIA - Dilma conseguiu ser pior que o Collor

BRASIL - A atividade econômica brasileira encolheu 3,8% em 2015. Esta é a queda mais forte do Produto Interno Bruto (PIB, soma de bens e serviços produzidos no país) registrada pelo IBGE desde 1990, quando a economia encolheu 4,3%. Em valores correntes, o PIB totalizou R$ 5,9 trilhões no ano passado. Já o PIB per capita ficou em R$ 28.876, o que representa uma queda de 4,6% frente ao ano anterior. O último resultado negativo havia sido registrado em 2009 (-0,1%), no auge da crise econômica mundial. Em 2014, o PIB teve leve alta de 0,1%.


Frente aos três meses imediatamente anteriores, o PIB do quarto trimestre recuou 1,4%. Na comparação com igual período de 2014, o resultado foi ainda pior: uma queda de 5,9%, a mais acentuada da série iniciada em 1996.
É a menor taxa da série atual, que começa em 1996. Na série mais antiga, é a menor taxa desde 1990, quando o PIB caiu 4,3%. A metolodogia é distinta, mas o número foi calculado com os dados disponíveis na época e é o crescimento oficial do país — explica a coordenadora de Contas Nacionais do IBGE, Rebeca Palis.
O resultado, no entanto, não surpreendeu. A mediana das análises de economistas compiladas pela Bloomberg apontava uma queda de 3,9%, enquanto o último relatório Focus, divulgado pelo Banco Central na segunda-feira, indicava queda em patamar semelhante, de 3,8%. O índice atividade econômica do BC, o IBC-Br, divulgado pela autoridade monetária em meados de fevereiro e que serve de termômetro para o PIB, recuou 4,1% no ano passado e foi o mais baixo da série histórica, iniciada há 13 anos.

Entre os três setores da economia, só a agricultura teve resultado positivo, com alta de 1,8% frente a 2014. A indústria registrou a pior queda, de 6,2%. Já os serviços, que têm o maior peso na economia, recuaram 2,7% no ano passado.
A demanda doméstica brasileira, que incluiu consumo das famílias, do governo, os investimentos e tudo que foi importado descontando o que foi exportado, caiu bem mais que o PIB. A queda foi de 6,5%. É primeira redução desde 2000 pelo menos, segundo o IBGE. Nem em 2009, quando o Brasil entrou em recessão, o país tinha reduzido sua demanda doméstica. O número mostra uma recessão mais profunda ainda. Já a demanda externa teve alta de 2,7% em 2015, depois de nove anos sem apresentar crescimento.
A despesa de consumo das famílias caiu 4% em relação ao ano anterior,quando havia crescido 1,3%. É o maior recuo da série histórica, iniciada em 1996.

Fonte: ASSESSORIA CHUMBO GROSSO

Nenhum comentário:

Patrocinador

Mídia Social Ronaldo Aleixo . Tecnologia do Blogger.