Header Ads

A chanceler Angela Merkel, da Alemanha, o ícone do liberalismo Ocidental anunciou que vai buscar seu quarto mandato

BERLIM - A chanceler Angela Merkel, da Alemanha, sob cerco nacional, mas amplamente vista como um pilar do liberalismo ocidental, anunciou no domingo que buscará um quarto mandato no próximo ano.


Ligeiramente rouca mas claramente decidida depois de consultar líderes de seu partido democrata-cristão conservador, Merkel disse que a decisão de buscar um quarto mandato era "qualquer coisa menos trivial", para seu país, para seu partido e para si mesma.

Uma cientista com uma maneira discreta, Merkel rejeitou a idéia que, após a eleição de Donald J. Trump como presidente nos Estados Unidos, teve um papel solitário em manter vivo o liberalismo ocidental. "Isso é grotesco, até mesmo quase absurdo", disse ela a repórteres.

Mas ela também disse que a campanha antes das eleições alemãs no outono de 2017 seria diferente de qualquer outra que ela lutou em um país cada vez mais polarizado. Ela enfrenta desafios mais fortes à direita e à esquerda, enquanto a guerra na Síria, a chegada de um grande número de migrantes e a contínua crise do euro despedaçam a Alemanha e colocam novas exigências ao seu povo.

Desde a eleição nos Estados Unidos, a especulação tinha montado que Merkel se curvaria à pressão para funcionar outra vez e para defender valores liberais em um mundo transformado pela vitória do Sr. Trump e pelo voto de Grâ Bretanha último verão a deixar a União Europeia.

Merkel, 62, serviu 11 anos como chanceler. Ela é a primeira mulher e a primeira pessoa criada na Alemanha Oriental Comunista a ocupar o cargo.

Desde que chegou ao poder em 2005, Merkel adquiriu gradualmente uma estatura política proporcional ao poder de seu país, a maior economia da Europa e seu país mais populoso, com cerca de 81 milhões de habitantes.

Mas sua imagem como cuidadosa cuidadora dos interesses de seu país sofreu durante o ano passado, depois que abriu a Alemanha para centenas de milhares de requerentes de asilo, muitos deles refugiados muçulmanos fugindo das guerras no Oriente Médio e na África.

A perspectiva de integrar quase 1 milhão de recém-chegados na Alemanha enfraqueceu a posição de Merkel em casa, apesar de receber alguns elogios, particularmente do presidente Obama.

Visitando Berlim na semana passada, Obama deu elogios a seu aliado mais antigo em seus oito anos no cargo, dizendo que se ele fosse alemão, votaria nele.

Merkel respondeu à eleição de Trump com um forte apelo para que ele siga os valores ocidentais e respeite a dignidade humana. Isso, ela disse, foi a base de qualquer cooperação estreita.
Mesmo quando comentadores e líderes fora da Alemanha invocaram sua estatura, Merkel tem estado ansiosa para não encantar o centro das atenções.

"Uma pessoa sozinha nunca pode resolver tudo", disse ela na sexta-feira em entrevista coletiva com o primeiro-ministro Mariano Rajoy, da Espanha. "Somos fortes apenas juntos. Nisso, quero fazer o que é meu dever como chanceler.

Nos dias antes de sua liderança do partido encontrar-se em domingo, diversos Democratas Cristãos disse que as próximas eleições parlamentares seriam difíceis de ganhar com Merkel, mas impossível ganhar sem ela.

Quando entrou no átrio de sua sede do partido no domingo, ela foi aplaudida por cerca de duas dúzias de pessoas em uma varanda do segundo andar.

Enquanto Merkel mencionou várias vezes que sua capacidade de continuar seria dependente de boa saúde, ela mostrou pouco cansaço e gradualmente se tornou quase feisty como ela delineou os desafios para a indústria alemã e os cidadãos no século XXI.

Os alemães devem manter seu conceito testado e testado de "economia social de mercado", uma mistura de Estado-Providência e capitalismo, à medida que navegam neste novo mundo, disse Merkel.

Mas ela reconheceu que mesmo neste país conservador e comparativamente rico, a política tem sido lançada em tumulto pela ascensão do partido populista, de direita da Alternativa para a Alemanha.

Agora está em 10 dos 16 parlamentos estaduais do país e parece certo para ganhar assentos no Parlamento federal no próximo ano. Isso faria com que a construção de uma coalizão convencional, já que nenhum partido dominante estava disposto a governar com os populistas.

Frauke Petry, um dos líderes da Alternativa para a Alemanha, criticou a idéia de Merkel ganhar mais quatro anos no cargo. "A Alemanha não pode pagar outro mandato para Angela Merkel", escreveu Petry no Twitter.

O papel de Merkel como um farol de valores liberais também pode ser prejudicado pelo poder do populismo em outras partes da Europa, cuja união tem sido posta em dúvida cada vez maior desde que a Grã-Bretanha, a principal potência militar do continente, votou em junho para deixar a União Européia.

No próximo mês, a Itália vota sobre as reformas constitucionais que o primeiro-ministro Matteo Renzi considera cruciais para a modernidade do seu país. A Áustria vai escolher um presidente em uma eleição atormentada por atrasos, e pode ver o primeiro político de extrema-direita eleito como chefe de Estado na Europa moderna.

Os Países Baixos, a França e a Alemanha realizam eleições importantes no ano que vem, com a votação em França sendo cuidadosamente observada como um indicador para a força do populismo encarnado pela Frente Nacional da Marinha Le Pen.

Falando em Berlim na semana passada, o primeiro-ministro Manuel Valls da França previu que "a Europa pode morrer" em consequência da onda populista e da dissonância econômica e política na União Europeia de 28 nações.

A Sra. Merkel guiou a Alemanha e, cada vez mais, a Europa através de uma miríade de crises.

Ela foi chanceler durante a crise financeira de 2008, e foi muito criticada pela insistência alemã na austeridade durante a crise da dívida grega e as subsequentes pressões sobre o euro. Desde que a Rússia flexionou sua força militar ao se apropriar da Criméia e se intrometer na Ucrânia em 2014, Merkel foi a principal interlocutora ocidental do presidente Vladimir V. Putin.

Merkel também levou seu país a abandonar a energia nuclear e transferiu seu partido conservador firmemente para o centro da política social.

Suas avaliações pessoais atingiram o pico em 2014 em mais de 80 por cento, quando ela estava lidando com a crise da Ucrânia, de acordo com a compilação do Süddeutsche Zeitung de leituras na sondagem Politbarometer desde que assumiu o cargo. Nessa escala, sua pontuação mais baixa foi de 50% no final de 2010, quando a Alemanha se juntou aos esforços europeus para evitar a falência da Grécia.

Fonte: http://www.nytimes.com/2016/11/21/world/europe/angela-merkel-germany.html?hp&action=click&pgtype=Homepage&clickSource=story-heading&module=first-column-region&region=top-news&WT.nav=top-news

Nenhum comentário:

Patrocinador

Mídia Social Ronaldo Aleixo . Tecnologia do Blogger.