Header Ads

O Departamento de Agricultura dos Estados Unidos – USDA, informou que o bloqueio da carne brasileira (FRIBOI e toda quadrilha) será mantido até que o Ministério da Agricultura do Brasil tome medidas corretivas.

BRASIL - A decisão do governo americano de suspender a importação da carne fresca brasileira terá leve impacto econômico imediato no mercado, mas poderia abalar a já frágil relação com os Estados Unidos, que é o maior produtor e consumidor de carne bovina do mundo.


Entre janeiro e maio de 2017, importações de carne brasileira in natura pelos americanos somavam 11,7 mil toneladas, num total de US$ 49 milhões (R$ 163 milhões), segundo dados da Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carnes (Abiec).

Isso representa apenas 2,7% do total de exportações brasileiras de carne fresca. Considerando tudo o que o Brasil vende ao exterior, a fatia americana que sofreu a sanção representa 2,2% das exportações, já que a carne fresca abrange mais de 80% das vendas brasileiras.
Mas apesar do montante não tão expressivo, a abertura do mercado americano ao Brasil era um fato inédito.
"Os EUA nunca tinham se aberto para importações in natura brasileiras. Isso aconteceu ano passado depois de anos de negociações e já está sendo revertido", comenta o presidente da Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB), José Augusto de Castro.

"São duas péssimas notícias juntas, porque recentemente a China, nosso principal mercado, anunciou que abrirá as portas para os EUA. Então além de perder nos EUA, vamos também ter maior competição na China", acrescentou.

Além disso, como os Estados Unidos são vistos como um país que têm um rígido controle sanitário, servindo de vitrine para outros que poderiam se espelhar na decisão americana e eventualmente também suspender importações do Brasil, embora isso não tenha sido aventado até o momento por nenhum governo.
'Preocupações de segurança'
A medida foi anunciada nesta quinta-feira pelo Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA, na sigla em inglês) e cita "constantes preocupações com a segurança dos produtos" que se dirigem ao mercado americano.

A USDA informou que o bloqueio será mantido até que o Ministério da Agricultura do Brasil tome medidas corretivas.

Desde março, após a deflagração da Operação Carne Fraca - quando a Polícia Federal cumpriu mandados contra fiscais suspeitos de receber propina para permitir a venda de produtos adulterados -, os americanos têm inspecionado 100% da carne que chega do Brasil.
Até agora, 11% foi recusado - o que está bastante acima da taxa de rejeição, de 1%, do resto do mundo. Os Estados Unidos negaram a entrada de cerca de 860 toneladas de carne brasileira devido a preocupações relacionadas à saúde, informou a USDA.

"Embora o comércio internacional seja uma parte importante do que fazemos na USDA, e o Brasil há muito seja um de nossos parceiros, a prioridade é proteger os consumidores americanos", comentou o secretário da Agricultura dos EUA, Sonny Perdue.

O documento não dá detalhes dos problemas sanitários da carne brasileira, mas cita a decisão do Ministério da Agricultura, na semana passada, de suspender as exportações de carne de cinco frigoríficos para os Estados Unidos.
A ação americana, portanto, torna mais abrangente a suspensão do ministério.

Na ocasião, a decisão brasileira foi tomada porque foram identificadas reações irregulares no gado à vacina da febre aftosa.
Uma reação à imunização provocou abscessos em lotes dos bois. O ministério abrirá sindicância para apurar o tipo de reagente utilizado, e se de fato ele causa esse resíduo nas carnes.

Nas redes sociais, o ministro da Agricultura, Blairo Maggi, lamentou o embargo de 13 frigoríficos - cinco dos quais já tinham sido suspensos pelo Brasil. E informou que viajará aos Estados Unidos para "prestar todos os esclarecimentos necessários".

"Asseguro que todas as medidas corretivas, para as exigências que eles nos fazem, já estão sendo tomadas e nosso objetivo continua o mesmo: garantir o mercado existente e ampliar nossas exportações de 7% para 10% num período de 5 anos", comentou no Facebook.

Em comunicado à imprensa, o ministro acrescentou que a metodologia de inspeção será mais rigorosa e que "lutará para retomar a venda de carne fresca ao país (EUA), por ser um mercado muito importante".

Para a Abiec, a suspensão poderá ser revertia em breve.
"Baseado no próprio comunicado norte-americano, a entidade acredita que, confirmado o encontro e a apresentação das medidas para correção das irregularidades encontradas, as exportações podem ser retomadas a curto prazo", disse em nota.
Longa negociação
Após anos de discussões que envolveram ambos os governos, os Estados Unidos abriram seu mercado ao Brasil em setembro do ano passado. O acordo previa uma cota inicial de importação de 64 mil toneladas por ano da carne brasileira, segundo a Abiec.
Como um dos grandes exportadores de carne bovina do mundo, o Brasil tem bastante interesse no mercado americano.

"Encerrando uma luta de mais de 15 anos do setor, foi anunciado o tão aguardado acordo que libera a exportação de carne bovina brasileira in natura para os Estados Unidos", comentou a associação em agosto de 2016.
Em um comunicado divulgado pela USDA na época do acordo, o então secretário da Agricultura dos Estados Unidos, Tom Vilsack, também celebrou a novidade.

"Estamos satisfeitos pelo fato de que o Brasil, um dos principais países produtores e de negócios agrícolas, alinhou-se com os padrões internacionais com base em evidências científicas."
O documento informou que o Brasil é classificado como de "risco insignificante" de encefalopatia espongiforme bovina, ou doença da vaca louca, e que está de acordo com as diretrizes científicas internacionais de saúde animal da Organização Mundial para a Saúde do Animal (OIE, na sigla em inglês).
Mas a histórica dificuldade de se estabelecer relações comerciais entre os países tinha mais uma motivação protecionista do que sanitária, diz José Augusto de Castro, da AEB.

"Era puramente econômica, porque são os dois mercados mais fortes. Essa reação da vacina não causa danos à saúde, mas deixa a carne com uma aparência menos atraente para a venda."
Embora a fatia inicial de trocas comerciais entre os dois países seja reduzida em relação ao total, os Estados Unidos são o maior comprador de carne bovina do mundo, e a expectativa era de se aumentar progressivamente a importação do Brasil.

Dados divulgados pelo governo brasileiro mostram que os EUA produziram, em 2015, 10,9 milhões de toneladas, ou 18,58% do total mundial, de 58,4 milhões de toneladas. Os americanos consomem 11,4 milhões de toneladas, ou 20,2% do consumo mundial, de 56,5 milhões de toneladas.

No acordo estabelecido entre os dois países em agosto de 2016, 14 Estados brasileiros livres da febre aftosa ficaram aptos a vender carne in natura para o mercado americano.
Os Estados Unidos já são grandes importadores de carne industrializada do Brasil - que não foi afetada pela medida desta quinta-feira.
Segundo a Abiec, entre janeiro a maio deste ano, os americanos compraram quase dez mil toneladas, num valor total de R$ 85 milhões. Em termos gerais, o valor representa 4% do total de exportações brasileiras.

Ecos da Carne Fraca
Desde março, o Brasil ainda vem se recuperando dos ecos da Operação Carne Fraca, embora os resultados tenham sido bem menos catastróficos do que os estimados.
Segundo Castro, ainda há embargo em poucos países menos expressivo entre os 160 para os quais o Brasil exporta carne.
Mas dados do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (Mdic), compilados pelo AEB, mostram que, de janeiro a maio deste ano, o Brasil exportou 424 mil toneladas de carne, 10,6% a menos do que o mesmo período do ano passado.

Enquanto isso, por causa da oferta menor, o preço da tonelada aumentou 6,7% nesse período para US$ 4.132 (R$ 13.791).
"Provavelmente, o Brasil tirou vantagem do fato de haver poucos grandes produtores de carne que teriam capacidade de suprir o espaço deixado pelo país", explicou Castro.

Nenhum comentário:

Patrocinador

Mídia Social Ronaldo Aleixo . Tecnologia do Blogger.