Header Ads

CRISE - Tasso fez críticas à postura de Aécio, disse que ele não tem pensado no bem do PSDB.

BRASIL - Destituído da presidência do PSDB por Aécio Neves (MG), o senador Tasso Jereissati (CE) disse nesta quinta-feira (9) que o partido do senador mineiro não é o mesmo do seu. "O PSDB desses caras não é o meu. E não é o do Fernando Henrique, do Mário Covas, do José Richa, do Franco Montoro", disse.


Tasso disse ter sido surpreendido pela postura de Aécio e afirmou que o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, também não foram informados da decisão do senador mineiro.

O senador, que ocupava interinamente a presidência da legenda desde maio, iniciou uma declaração à imprensa em tom de brincadeira. "Como vocês sabem, estou desempregado", disse.

Tasso fez críticas à postura de Aécio, disse que ele não tem pensado no bem do PSDB. "Eu tenho dito que ele não está pensando no coletivo do partido há muito tempo. Desde que ele está agarrado nesta presidência. Se ele estivesse pensando no coletivo isso não estaria acontecendo hoje", declarou.

Na avaliação do tucano, sua candidatura à presidência do PSDB ganha mais força. "A candidatura acho que se fortifica. Evidentemente não é fácil enfrentar estrutura do governo federal e nem do partido", disse.

Questionado sobre se vê no gesto de Aécio atuação do governo, ele afirmou que sim. "Eu acho que quando ele fala em pressão, pressão, pressão, eu acredito que seja isso também".

Tasso disse ter sido procurado por Aécio na tarde desta quinta com um pedido para que ele deixasse a condição de interinidade no comando do PSDB.

Ainda de acordo com o senador cearense, a argumentação foi de que isso traria mais "isonomia" para a disputa pela presidência da legenda. O partido realiza em 9 de dezembro a convenção nacional, que definirá a estrutura que comandará a sigla em 2018, ano eleitoral.

Tasso rebateu a justificativa de Aécio e disse que não deixaria o cargo. "Foi ele quem prorrogou o próprio mandato. Não era bem assim que ele via a questão partidária", disse, afastando a argumentação de que seu afastamento daria mais isonomia à convenção.

"Preferia que ele me afastasse para ficar bem nítidas as nossas diferenças", acrescentou.

O senador cearense disse respeitar o mineiro e afirmou que ambos têm hoje "diferenças profundas".

Ainda sobre as diferenças, Tasso disse ser contra o comportamento político e ético do governo. "Essa postura fisiologista deste governo".
Fonte: msn

Nenhum comentário:

Patrocinador

Mídia Social Ronaldo Aleixo . Tecnologia do Blogger.