Header Ads

No discurso de sua filiação ao PSL, Bolsonaro diz "Sou pelas privatizações, mas o estratégico deve ser mantido"

BRASILCom o plenário 2 do setor de comissões da Câmara cheio de militantes e entusiastas de sua pré-candidatura ao comando do Palácio do Planalto, o deputado Jair Bolsonaro oficializou na noite desta terça-feira a sua filiação ao PSL.
Em seu discurso - que durou cerca de 40 minutos e foi interrompido em mais de uma oportunidade por aplausos e gritos de “mito, mito” -, o parlamentar do Rio de Janeiro admitiu não entender de economia, mas destacou que vem buscando conhecimento em conversas com especialistas e viagens ao exterior. Bolsonaro evitou dizer ser contrário a privatizações, mas destacou que o que é considerado estratégico para o país precisa ser preservado.

“Reconheço que não entendo de economia e é um mérito dizer que eu não sei. Melhor reconhecer do que fazer errado. Estive nos Estados Unidos para trazer ensinamentos”, afirmou Bolsonaro.

Quando o assunto é privatização de estatais brasileiras, Bolsonaro preferiu relativizar e sinalizar que cada caso é um caso. “Uma coisa é comprar a galinha da sua casa, a outra é comprar o galinheiro. Tem país que está comprando terras agriculturáveis no Brasil, o nosso subsolo. Não podemos entregar nossas riquezas minerais, nossas terras agriculturáveis, nosso subsolo, as nossas linhas de transmissão, nossas hidrelétricas para um país estrangeiro. Sou pelas privatizações sim, mas o que é estratégico tem que ser preservado. Não são todos os casos que devemos partir para a privatização”.

Em reação ao apoio de eleitores de Roraima que estavam presentes na cerimônia, o pré-candidato lamentou pelo fato de o presidente Michel Temer não tratar o Estado com prioridade em um momento em que venezuelanos migram para a região. “Roraima é um Estado esquecido porque não tem densidade eleitoral. Nós temos projetos para Roraima. Se eu fosse rei de Roraima, em 20 anos, a nossa economia seria próxima a do Japão”.

Após se apresentar como um deputado “fora da curva”, o político eleito deputado pelo Rio de Janeiro ressaltou que tem “o norte bem definido”, o que, em sua avaliação, pode contribuir para que o país retome a credibilidade no ambiente internacional.
“Temos que no futuro sermos recebidos sem a manta da desconfiança. Nós perdemos a confiança do mundo graças aos péssimos governos que nós tivemos. Bote na mesma sala Lula, Dilma e eu. Aplique-nos uma prova do Enem. Se eu não tirar uma nota maior do que a dos dois juntos, eu não estou preparado para ser presidente”, ironizou Bolsonaro.

Para mudar esse clima de desconfiança dos investidores internacionais em relação ao Brasil, Bolsonaro aposta que o caminho é a política. Um dos seus cotados para assumir o ministério da Fazenda, caso seja eleito, é o economista Paulo Guedes, que, segundo o parlamentar agora do PSL, saberá como tirar o país da situação em que se encontra.
“Caso nós venhamos a ocupar o Palácio do Planalto, temos que negociar com o Parlamento sem o toma-lá-da-cá atual. O que precisamos? De parlamentares que sejam honestos, corretos, respeitosos”, disse Bolsonaro.
Ao falar sobre seu eventual governo, o deputado do Rio de Janeiro disse que pretende formar um ministério com militares e civis. “Aqueles que me chamam de ditador, esquecem que, nós militares, sempre fomos amantes da liberdade e da democracia. Só tem uma maneira de essa bandeira ficar vermelha: com meu sangue”, alfinetou Bolsonaro, fazendo uma referência à bandeira vermelha do PT.
O parlamentar criticou a maneira com que o governo Temer trabalha para manter a governabilidade, que, segundo ele, é baseada na “entrega de cargos em ministérios, bancos e estatais a grupelhos políticos”. Ele aproveitou para chamar de terrorista o Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST). “Eu não bom não, mas os outros são muito ruins. A violência se combate com energia e, se for o caso, com mais violência. Nosso parlamento tem que tipificar como terrorismo as ações do MST. Eles estão tão ousados que terão um candidato a presidente”.

Fonte: Valor Econômico

Nenhum comentário:

Patrocinador

Mídia Social Ronaldo Aleixo . Tecnologia do Blogger.