Header Ads

Líder de torcida organizada russa diz que gays devem tomar cuidado, "Estamos no País Conservador"

BRASIL - Há dois anos, durante o jogo Inglaterra x Rússia pela Eurocopa, as duas torcidas transformaram Marselha em um campo de batalha.
O mundo inteiro presenciou o fato com horror. Entretanto, na Rússia, os hooligans que conseguiram derrotar seus “pais espirituais” foram recebidos como heróis. “Bom trabalho, rapazes”, tuitou o deputado Igor Lebedev, enquanto o presidente Vladimir Putin liquidava o episódio com um comentário irônico: como era possível que 200 russos vencessem mais de 2.000 torcedores ingleses?

“Foi uma simples briga”, minimiza Aleksandr Shprygin, um homenzarrão de 40 anos que todos tratam com respeito no bar esportivo de Moscou onde nos encontramos. Em 2016, o líder da torcida do Dínamo de Moscou e logo depois da Associação de Torcedores da seleção de futebol da Rússia, atualmente suspensa, foi expulso da França não uma, e sim duas vezes.

“Quem teme que os incidentes de Marselha se repitam na Copa do Mundo está enganado. O nível de segurança na Rússia não tem precedentes”, afirma Shprygin, acrescentando a seguir: “É verdade que o futebol é pura emoção. Talvez ocorram alguns confrontos menores, mas nada de batalhas. São os meios de comunicação britânicos que anteveem um ‘festival de violência’. Como ficaram sem a Copa, não se conformam, mas com isso fazem mal a si mesmos. Pode ser que algum adolescente de Volvogrado se pergunte como é possível que seu avô defendesse os britânicos dos nazistas, e que agora estes nos declarem guerra, e decida que é preciso lhes dar uma lição”. Porém, se apressa em ressalvar: “Ninguém está se preparando para bater nos estrangeiros. Todo mundo sabe que iria direto para a cadeia”.

Nos últimos anos, as autoridades pressionam os 'ultras' por todos os meios ao seu alcance: prisões preventivas, ameaças e até a exigência de promessas assinadas de “boa conduta” durante o torneio. “Quem pode se dar ao luxo irá para o exterior”, diz o ex-líder. “Assim, se acontecer algo, poderão mostrar a passagem e o carimbo no passaporte.” Os 467 integrantes de uma lista negra de torcedores violentos foram impedidos de tirar a sua fan ID, uma espécie de “passaporte do torcedor”. Shprygin não está nessa lista, mas foi banido das arquibancadas sem receber explicações. No ano passado, quando estava a apenas 100 metros do estádio, ficou sabendo que não poderia assistir à Copa das Confederações, e nesta quinta-feira foi igualmente proibido de ver o jogo inaugural. “Sua solicitação foi rejeitada”, lê ele no celular. “Nestes casos não há nada a fazer.”

O ponto de inflexão foi a Eurocopa de 2016. Naquela ocasião acabou a marcha triunfal que tinha levado os torcedores violentos da Rússia a se sentarem à direita do poder. A associação que os congregava foi suspensa, e o próprio Shprygin, que tinha chegado a ser assistente de Lebedev e em 2010 acompanhara o então primeiro-ministro de Putin no ato de depositar flores no túmulo de um torcedor do Spartak, foi repudiado. “Eles me pintam como o chefe de um suposto ‘exército de Putin’ enviado à França para criar o caos na ‘guerra híbrida’ contra o Ocidente. Tudo fantasia. Só tivemos relações de trabalho.”

Em todo caso, a idade de ouro da cumplicidade com o Kremlin chegou ao fim. Começa agora a da tolerância zero. Ainda resta o medo de episódios xenófobos como o arremesso de bananas e os coros racistas contra os jogadores negros, registrados em muitas ocasiões nos estádios russos. Shprygin nega com a cabeça. “São casos isolados que as pessoas muitas vezes inventam ‘chupando um dedo’ [expressão russa equivalente a ‘tirar da manga’].” Quando se menciona que no passado preconizava-se uma seleção nacional “de eslavos”, responde que o que queriam dizer era que sairia “das categorias de base russas”. Sobre sua saudação nazista, imortalizada em uma foto, diz que “era jovem e estava bêbado”. Mas dá um conselho aos homossexuais: “Não haverá perseguições, que fique claro, mas estamos em um país conservador, então é melhor evitar agarração na praça Vermelha”.

Nenhum comentário:

Patrocinador

Mídia Social Ronaldo Aleixo . Tecnologia do Blogger.